01/08/2017

Uma bomba na Adutora do Guandu. É Jair Bolsonaro em ação!

        Das novas gerações, poucas pessoas sabem que o deputado Jair “Messias” Bolsonaro, do PSL - Partido Social Liberal, já foi protagonista de um “Caso Para-Sar” às avessas! Digo às avessas porque no legítimo Caso Para-Sar, ocorrido em 1968, o herói foi um paraquedista de elite das Forças Armadas, o capitão Sérgio Ribeiro Miranda de Carvalho, e o vilão foi o brigadeiro João Paulo Burnier; e nesse caso invertido, acontecido em 1986, o vilão foi um paraquedista (Jair Messias Bolsonaro) e o herói, ou melhor, a heroína, foi a jornalista Cássia Maria, de Veja...

        Heróis, nos dois casos, foram pessoas que tiveram a decência e a coragem de delatar os planos, diabólicos e sinistros, antes que fossem executados...

        Para entender o “Caso Para-Sar”, é preciso voltar no tempo algumas décadas. Instaurada em 1964, a Ditadura Militar já era confrontada, menos de quatro anos depois, por uma série de movimentos, entre os quais a Frente Ampla, liderada pelo ex-governador do Rio, Carlos Lacerda, e pela grande capacidade mobilizadora da UNE- União Nacional dos Estudantes, que já em julho de 1968 conseguira organizar a famosa Passeata dos 100 Mil, no Rio de Janeiro.

        Nas casernas, as manifestações e os protestos despertaram a ira da direita radical, pequena, mas ativa...

        Eis que surge um brigadeiro – uma das mais altas patentes da Aeronáutica – com um plano para levar o regime a um endurecimento total e assim conter o avanço da “subversão”.

        O plano tinha duas fases, uma primeira consistiria na explosão de várias bombas em pontos estratégicos (gasômetro, vias públicas, ajuntamento de pessoas, pois a lógica era “quanto mais gente morrer, melhor”)!

        Na segunda fase, seriam eliminados (isso mesmo, assassinados!) políticos influentes como Carlos Lacerda, Juscelino Kubitschek, Jânio Quadros... Havia uma lista de 40 políticos! O objetivo era um só: produzir pânico e consternação para justificar um truculento fechamento do regime.

        E todos os atentados seriam atribuídos aos “comunistas”!

        O plano era a sério, mas o que o seu autor, o brigadeiro João Paulo Burnier, já envolvido em casos anteriores de suprema insubordinação, não levou em conta é que no comando do Para-Sar – tropa de elite, à qual fora reservada a missão de executar o plano – havia um homem sensato e corajoso, o capitão Sérgio Ribeiro Miranda de Carvalho, que não permitiu que seus homens operassem aquela insanidade!

        O tempo demonstrou que o brigadeiro Burnier, além de insano, não era nada inteligente. Dali a poucos meses, ainda no governo claudicante do General Costa e Silva, é instaurado o Ato Institucional de número 5 (o famoso AI-5) e faz o país mergulhar no que é chamado de Anos de Chumbo, criando, sem apertar o gatilho uma só vez, o clima que Burnier tentava produzir com bombas e assassinatos...

MALUQUICE EM DOSE MENOR

        Vamos chamar o episódio no qual se envolveu Jair “Messias” Bolsonaro de “Parasarzinho”, vai!

        Os tempos eram bem outros! Tancredo Neves já estava morto e seu vice, o maranhense José Sarney, ocupava a Presidência da República na condição de primeiro Civil a governar o País depois da série de governos militares...

        E o Ministro do Exército do governo Sarney era o general Leônidas Pires Gonçalves!

        Pois bem, nosso vilão nessa época não passava de um discreto capitão do 8º Grupo de Artilharia de Campanha Paraquedista do Exército...

        O clima era efervescente nas casernas... O salário dos militares estava muito comprimido e a insatisfação se espalhava...

        O capitão Messias Bolsonaro, que bobo nunca foi, percebeu a oportunidade de sair do anonimato: jogou a disciplina e a hierarquia militar na lata do lixo e escreveu um artigo para a revista Veja relatando o clima de insatisfação dos quarteis.

        No artigo, começava por explicar que a evasão de cadetes das academias militares não era causada, ao contrário do que a imprensa informava, por homossexualismo, consumo de drogas ou falta de vocação para a carreira militar, e sim pelos baixos salários... E por aí foi... Teria sido até um bom artigo não fosse escrito por um oficial que tem por dever respeitar a disciplina e a Ética das Armas que servia.

        O artigo causou grande estupefação: imaginem o que aconteceria ao país se todos os militares das três Armas fossem usar a mídia externa para relatar os seus problemas?

        Mas o Messias Bolsonaro não se deu por satisfeito: em parceria com outro capitão do mesmo corpo de Paraquedistas, Fábio Passos, apresentou à repórter de Veja, Cássia Maria,  um plano para explodir quarteis e a Adutora do Guandu, no Rio de Janeiro.

        Entregou à repórter inclusive um croqui que ele desenhara de próprio punho apontando os pontos da adutora onde as bombas explodiriam... Bolsonaro e seu parceiro da maluquice haviam selado um acordo de sigilo com a repórter... Também não contaram com o espírito de cidadania da moça que, civilizadamente, publicou todo o material que lhe fora entregue e assim fez abortar a maluquice...

        O plano teve até nome: “Operação Beco sem Saída”. Seria posto em prática caso o Exército não reajustasse o salário da tropa...

        O STM – Superior Tribunal Militar abriu inquérito para apurar ambos os casos... Pelo artigo em Veja, de autoria irrefutável, por ter “ferido a Ética e cometido transgressão grave”, Messias Bolsonaro levou 15 dias de prisão...

        No caso da Operação Beco sem Saída, ambos os militares foram absolvidos, o que não impediu que os três coronéis que comandaram o inquérito afirmassem que Bolsonaro e Passos “mentiram durante todo o processo”...

O VAI E VEM DO MESSIAS
       
        Os coronéis do Conselho de Justificação do STM parecem ter acertado em cheio ao classificar o hoje pré-candidato a presidente da República como “mentiroso”! Quem toma conhecimento de sua trajetória política vê um político sem coerência...Messias Bolsonaro se parece  com um daqueles parafusos feitos com material mole, sem têmpera – apertou, a rosca espana!

        Em 1986, idealizou sim um plano para soltar bombas; apertado pelo STM, negou tudo e disse que iria explodir algumas espoletas!

        Agora mesmo, sob ameaça de perder o mandato de deputado por ter exaltado a tortura, nega que a tenha exaltado!

        Oportunista, sabe que seu ídolo no Brasil, o Coronel Brilhante Ustra, é parecido com o general chileno Augusto Pinochet! Ambos usaram os mesmos métodos para combater oposições...

        Ao perceber, em 1986, que a imagem de Pinochet, dadas as atrocidades que cometia no Chile, estava mais suja que pau de galinheiro no Brasil e querendo atingir o Ministro do Exército, general Leônidas Pires Gonçalves, declarou a Veja: “O Exército é uma vergonha! E o ministro Leônidas é um segundo Pinochet!”
       
        Messias Bolsonaro tem também uma péssima interpretação do dado político! A efervescência nos quarteis seria suficiente para pressionar o governo de Sarney a fazer o que fez – aplicou 95% de aumento ao salário das três Armas...

        O artigo em Veja e o plano terrorista de Messias Bolsonaro tiveram peso quase zero na decisão de governo! E o homem que se diz em condições de comandar o Brasil não soube enxergar isso – preferiu o caminho da violência ou da demagogia, não se sabe!






12 comentários:

  1. Chora esquerdalha. Ele virá e vai ser contudo

    ResponderExcluir
  2. Ô anônimo, seja lá quem for você, saiba que você está enganado nas duas coisas que diz: eu detesto essa "esquerdalha" talvez mais que você; e o seu candidato não "virá aí" não senhor, isso é delírio seu...outra coisa, esse seu "contudo" não é assim que se escreve;; o certo, nesse caso, é "com tudo"..além de imbecil, analfabeto...

    ResponderExcluir
  3. Chora velho gaga vai dar meia hora de cu com relorel parado, é melhor Jair se acostumando, vai ter que inventar mais mentiras se quiser derrubar o bolsonaro #Bolsonaro2018

    ResponderExcluir
  4. CHORA IMBECIL, QUANTO MAIS CHORAR MAIS VAI ENTRAR...

    ResponderExcluir
  5. Os esquerdistas, tanto do governo, quanto os "vermelhinhos" apátridas, quefizeramo pacto avarento no."projeto de poder" (LuloPTismo), TEM PAVOR das FFAA.

    VIVA o CIVISMO !
    VIVA o PATRIOTISMO !!
    VIVA o POSITIVISMO !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. releia o artigo, sr.Walter Hugo Monte Rey...seu alvo está errado...o autor repudia o lulismo e o esquerdismo tanto quanto você...estamos falando de um populista querendo eleger-se presidente da República...

      Excluir
  6. Vejo esta reportagem de Bolsonaro como mais um ato de desespero da imprensa suja e ipocrita criada pelo mentor dos Marinhos porém se é fato a de se ver os gatos que deixam de ser colocados a vista de todos por essa mesma imprensa que atua como a lei condenando uns e absolvendo outros que possam vir a colaborar com o imperio chamado de organizações Globo. Mais como o povo em geral está querendo reação entao a opinião desta organização pouco importa.

    ResponderExcluir
  7. ANÔNIMO ? Já disse tudo, um nada, um zero a esquerda, uma cortina de fumaça!

    ResponderExcluir
  8. Quem defende esse "Capitão Bunda Suja" é tão excremento quanto ele.
    Sujeito mentiroso, sem cultura. Só fala grosso com mulheres e gays; com homens fica mansinho. Deve ser uma grande tiazona. Tipo o milico do filme "Beleza americana".

    ResponderExcluir
  9. Li, no comentário acima, que a possível eleição do Bolsonaro seria um "delírio", eis aí o delírio concretizado. Agora ele é o seu presidente. Esquerda nunca mais! Comunismo jamais! Vocês falsificam a história, mas jamais a podem mudar. Viva 64!

    ResponderExcluir
  10. Não tem nem esquerda nem direita. Todos são pelos interesses de terceiros. vocês ai feito patetas.

    ResponderExcluir
  11. Corvadi nao não explodiu as bombas, a maioria dos militares do rio saber dessa história

    ResponderExcluir